O Colégio Aprendendo a Aprender faz parte de uma organização sólida e iminentemente voltada para a busca da Educação de Excelência, constituída de mais seis instituições de ensino estrategicamente distribuídas na Cidade de São Paulo. São elas: o Colégio Horizontes, Augusto Moreira, Liceu Santa Cruz, CAJU e Concórdia, além do Colégio Saber, na cidade de Ourinhos, interior do estado com São Paulo. Nossa organização mantém um braço social na Zona Sul de São Paulo, constituído de seis Centros de Educação Infantil.

No coração de Pinheiros é uma escola preparada para oferecer o melhor aos alunos, desde a primeira idade até a entrada na adolescência, com estrutura adequada e uma equipe de educadores reconhecidamente de primeira.

Do Berçário ao fim do Ensino Fundamental, no Aprendendo a Aprender o foco é sempre em um ensino com carinho, estímulo disciplina.  A atenção aos estudantes e aos pais é total. Por isso, a escola funciona em horário diferenciado, das 7h às 19h, de segunda a sexta-feira, o que facilita muito a rotina em uma cidade como São Paulo. No Aprendendo os pais têm as portas abertas e participam do dia a dia dos filhos.

É com atenção aos detalhes que o Aprendendo a Aprender se destaca. O sistema de ensino Anglo, reconhecido em todo o Brasil como uma das melhores ferramentas de aprendizagem. Já desde a Educação Infantil há estudo de língua inglesa e o ensino do idioma é diário, faz parte da grade curricular.

Em nosso colégio ofertar uma alimentação saudável é prioridade. Contamos com a parceria de uma nutricionista e proporcionamos aos nossos alunos um cardápio equilibrado, diversificado e nutritivo, tanto em nosso refeitório como também na cantina.

“Costumo dizer que nasci professora.

Pois, desde pequenina comecei a construir o modelo aberto de educação que preconizo.

Sempre acreditei que uma escola é boa só quando pratica o acolhimento, a tolerância, a compaixão e a respeitosa paciência com seus alunos.

É a escola pluricultural.

Quando fundei a primeira escola do Grupo tinha para mim, que ensinar, devia ser um ato de amor pelo outro.

E que, à escola, cabia a missão de abrir os horizontes da vida, para seus alunos, favorecendo sua revoada autônoma, como protagonistas de suas próprias histórias.

Essa empreitada teve início na década de 80, depois de uma jornada vertiginosa de trinta anos dedicados à educação.

Hoje se fala muito em educação humanista.

Esta é definida pelos programas desenvolvidos à luz do humanismo, criador de seres cultos, cheios de ideias, que contribuem com seu saber, para a evolução da humanidade.

Sou adepta disto.

Mas vou além, porque o que hoje e sempre preguei foi a educação humanizada, onde os conhecimentos não são introduzidos mecanicamente.

Acredito que a boa escola não é aquela que obriga o aluno a decorar a tabuada para ensinar a multiplicação e memorizar a teoria de que – é a soma de parcelas iguais.

É aquela que estimula a leitura e a escrita e tem a gramática e a ortografia, como decorrência natural, de quem lê muito.

É aquela que consegue, desde os cinco ou seis anos, introduzir os fundamentos e extrair os conceitos na prática, através de atividades concretas de acordo com o nível de cognição de cada um.

E a boa escola também não é aquela que está só focada na aprendizagem que o aluno reproduz no exame. Não está interessada em criar personalidades submissas.

Sinto-me realizada porque tenho certeza de que todas as escolas do Grupo A Educacional a despeito da diversidade de suas comunidades, são sustentadas pela mesma filosofia educacional.

Acredito que minha longevidade na educação é fruto da chama que alimenta minha BUSCA DA ESCOLA IDEAL.”

Neda Lian Branco Martins

Fundadora do Grupo A Educacional

149305_380750805300625_514158167_n

Valores 2019